LEIA COM ATENÇÃO

Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com WHATSAPP [88]

terça-feira, 21 de março de 2017

GRUPO JOÃO SANTOS, DO CIMENTO NASSAU, DECRETA FALÊNCIA DIREÇÃO NEGA


Foto/Divulgação Noticias que vem sendo veiculadas essa semana sobre empresa de cimento Nassau, importante empreendimento da economia mossoroense, é ligada ao grupo empresarial tem causado muita preocupação principalmente a quem depende direta ou indiretamente da fábrica de cimento. A diretoria nega. Veja abaixo O Grupo João Santos, que produzia o cimento Nassau e detinha 13% do mercado do produto no Brasil, decretou, oficialmente, sua falência no fim da última semana. Em suas 12 fábricas no Norte, Nordeste e Sudeste do País, a Nassau produzia 6,4 milhões de toneladas de cimento por mês. Porém, o Grupo João Santos não era só cimento. Era um império que tinha usinas de açúcar e etanol, fábricas de papel e celulose e uma rede de comunicação, a Rede Tribuna, presente em Pernambuco e no Espírito Santo. A crise no grupo econômico foi instalada logo após a morte do patriarca e fundador do império, o empresário pernambucano João Pereira dos Santos. Ele morreu de infarto, em 15 de abril de 2009, aos 101 anos. A briga familiar pelo controle do grupo, que levou à falência do império, teve de um lado Fernando Santos, José Bernardino Santos e Maria Clara Santos, filhos de João Santos, e de outro, as irmãs de João Santos, Ana Maria Santos e Rosália Santos, além de Alexandra, Rodrigo e Maria Helena, filhos do primogênito João Santos Filho, morto em 1980 num desastre de avião no Paraguai. Em 2010, o patrimônio do conglomerado era avaliado pelo mercado em R$ 5 bilhões. Diretor diz que grupo João Santos não existe e que não houve decreto de falência das fábricas Coluna do jornalista Rubens Frota, do jornal O Estado (CE), o dia 17 de março de 2017, sobre "Falência" do Grupo João Santos No entanto, o jornalista mossoroense Argolante Lopes conseguiu falar com o diretor Fernando Gusmão. Segundo Gusmão, o grupo João Santos não existe juridicamente, é apenas um nome "fantasma", como cita ele durante conversa com jornalista Lopes. O servidor afirmou que a informação de falência não procede, nem em relação ao grupo, nem quanto às empresas. "Não existe João Santos, não é um grupo, existem diversas empresas que em conjunto elas são chamadas de grupo João Santos. Mas, não tem respaldo jurídico, não é uma instituição, só o nome fantasia de um conjunto de empresas. Nenhuma [decretou falência], não tem pé nem cabeça", declarou Fernando Gusmão. Por Antônio Martins Fonte:Passando no Hora

Nenhum comentário:

Postar um comentário