LEIA COM ATENÇÃO

Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com WHATSAPP [88]

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Cerveja com gosto de 'vagina' será vendida em breve no Brasil

Foto: Reprodução
A cerveja foi batizada de “Bottled Instinct”, no Brasil ficaria “Instinto Engarrafado”, propositalmente um nome bem sugestivo.
Você é um apreciador de cevada? Amante de cerveja de todos os tipos?

Então talvez vá se interessar por essa nova cerveja, digamos, excêntrica.

A maioria das cervejas fabricadas em todo o mundo é feita de leveduras e água de malte lúpulo.

Algumas chegam a levar trigo ou outros ingredientes a mais que podem ser adicionados à cevada para dar ainda mais sabor a essa famosa bebida.

No entanto, você provavelmente nunca imaginou uma cerveja com gosto de vagina, é isso mesmo que você acabou de ler, pois essa cerveja é feita com bactérias presente na vagina da mulher.


Muitas pessoas não irão gostar da ideia e até achar nojento, mas uma cervejaria na Polônia, conhecida na região como “Order of Yoni”, pretende trazer para o Brasil a cerveja que é produzida com as bactérias encontradas naturalmente na vagina, que produzem acido láctico.

No país, essa cerveja foi batizada de “Bottled Instinct”, no Brasil ficaria “Instinto Engarrafado”, propositalmente um nome bem sugestivo.

As bactérias da cerveja foram criadas a partir das bactérias da vagina de uma renomada modelo checa, a belíssima Alexandra Brendlova.

Os primeiros lotes da cerveja foram criados em 2016 e contiveram somente 16.600 garrafas.

Segundo o criador e os apreciadores, as cervejas feitas com essas bactérias não possuem cheiro e nem mesmo o gosto da vagina, ela é somente aromatizada com o instinto feminino da mulher, no caso da modelo Alexandra.

Foram os próprios fabricantes que retiraram a bactéria da vagina da modelo, usando uma ferramenta específica.


Depois disso, elas foram para o laboratório, onde foram analisadas e o ácido láctico limpo e isolado, e depois multiplicadas, prontas para serem misturados à cerveja.

As bactérias, depois de terem sido multiplicadas, foram combinadas com lúpulo, leveduras, água e malte.

Para que o fabricante pudesse arrecadar dinheiro para produzir essa bebida específica, ele lançou uma campanha para obter um financiamento coletivo, que é chamado de “crowdfunding”, com um objetivo de arrecadar um bom capital para finalizar o projeto.

A campanha da cerveja feita com bactérias da vagina sugere que todos os homens possam ter uma mulher em forma de cerveja.

A cerveja fez tanto sucesso mundo afora que os seus produtores desejam exportá-la para o Brasil.

Aqui no país, dois empresários já se interessaram pela ideia e estão empenhados em trazer o produto ao Brasil.

Segundo os fabricantes, todos os procedimentos seguem as normas rigorosas de higiene. 

Blasting

Nenhum comentário:

Postar um comentário