LEIA COM ATENÇÃO

Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com WHATSAPP [88]

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Mais de 50 crianças com intoxicações são atendidas no IJF em Fortaleza, todos os meses


Intoxicações são preocupantes e necessitam de cuidados especiais (FOTO: Reprodução)


Um levantamento realizado pelo Centro de Assistência Toxicológica do Ceará (Ceatox), no Instituto Dr. José Frota (IJF), em Fortaleza, apontou que 53 casos de intoxicações envolvendo crianças foram registrados mensalmente em 2016. O caso se tornou preocupante nos últimos meses para os médicos.

Em entrevista à rádio Tribuna Band News FM, a diretora do Ceatox, Polianna Lemos, destacou os principais causadores dessas ocorrências. “A grosso modo nós temos as picadas de escorpiões e os acidentes domésticos, que é a questão de intoxicação de crianças por causa de medicações, produtos de limpeza ou objetos que são contamináveis dentro de casa”, explica. 
 
A diretora ainda detalha qual deve ser a primeira providência a se tomar quando uma criança ingerir um produto. “Uma coisa importante que todos devem saber é que não deve-se dar nenhum vomitivo para a criança. Não se deve dar nada para a criança beber antes de buscar alguma informação, porque a medida é diferente e o consumo de determinado remédio ou até alimento pode agilizar ainda mais a absorção do produto e agravar o quadro”, contou.

Com o aumento dos casos de dengue, zika e chicungunha, muitas pessoas abusam dos repelentes e venenos contra mosquitos, mas os pais devem observar a faixa etária da criança antes de adquirir o produto.

Outro tipo de intoxicação comum em crianças é pelo uso indevido de medicamentos. Até mesmo os antitérmicos e analgésicos podem acarretar problemas se a dosagem for administrada de forma excessiva. O número de atendimentos a crianças por intoxicações representou 15% do total de casos atendidos pelo Centro no ano passado.



Fonte Tribuna do  Ceará

Nenhum comentário:

Postar um comentário