LEIA COM ATENÇÃO

Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com WHATSAPP [88] 9 8801 1777

terça-feira, 9 de maio de 2017

Farias Brito, no sul do Ceará, é município brasileiro com maior incidência de dengue


Mosquito também transmite dengue, chikungunya, febre do Mayaro e febre amarela (Foto: Divulgação)
Mosquito também transmite dengue, chikungunya, febre do Mayaro e febre amarela (Foto: Divulgação)

O município de Farias Brito, no sul do Ceará, é a localidade de maior incidência de dengue em todo o Brasil. Os dados constam no boletim epidemiológico do Ministério da Saúde e se referem ao ano de 2017, até o dia 15 de abril. Farias Brito registra uma média de 1.527,5 casos para cada 100 mil habitantes.

Fortaleza também aparece no ranking do Ministério da Saúde, como a cidade com mais de um milhão de habitantes com maior incidência de dengue. São 119,4 casos prováveis da doença a cada 100 mil habitantes. Além disso, a capital cearense também consta com o maior índice médio de febre chikungunya, com 210,8 casos por 100 mil habitantes.

Em geral, o Brasil tem diminuído os números de arboviroses, como dengue, febre chikungunya e infecção por vírus da zika nos primeiros meses de 2017, em relação ao mesmo período do ano passado. A dengue passou por uma redução de 90,4% nos casos prováveis, enquanto chikungunya caiu 68,1% e a zika, 95,4%.

Contudo, Ceará e Roraima são os dois únicos estados brasileiros em que as notificações de dengue sofreram um aumento no comparativo ao ano anterior. Até 15 de abril de 2016, o Ceará registrou 13.548 ocorrências prováveis da doença, enquanto em 2017 o índice já chega a 15.826.

Em relação a febre chikungunya, o Ceará também passou por crescimento nos números, indo de 4.294 possíveis casos para 17.012 em 2017.

Análise

Conforme a análise do infectologista Anastácio Queiroz, os dados estão dentro do esperado pois, mesmo com a diminuição da ocorrência das enfermidades em todo o país, é comum que haja estados que sigam o sentido contrário.

"Ainda existem locais em que o vírus da chikungunya, por exemplo, não entrou de maneira importante, comprometendo a saúde pública. Aqueles que ainda não sofreram pela doença vão sofrer num futuro próximo, é uma questão de tempo. Desde 1986, o Ceará tem sido uma área endêmica e epidêmica para a dengue. Então os dados não devem servir só como uma crítica ao poder público, mas como um alerta a outros estados onde a situação ainda não é tão grave", assevera. 



Fonte G1 Ceará

Nenhum comentário:

Postar um comentário