LEIA COM ATENÇÃO

Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com WHATSAPP [88]

sábado, 8 de julho de 2017

Hospital do Ceará supera São Paulo e lidera transplantes de fígado no Brasil


Transplante de fígado  (Foto: UFC/Divulgação)
Hospital Walter Cantídio é referência em transplantede fígado (Foto: UFC/Divulgação)

Pelo segundo ano consecutivo, o Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), da Universidade Federal do Ceará, se destaca como o maior serviço de transplantes de fígado do País, ultrapassando o Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Os dados são do Registro Brasileiro de Transplantes (RBT) 2014, documento oficial da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO). Em agosto do ano passado, o serviço de transplantes do HUWC alcançou a marca total de 1.000 transplantes de fígado realizados em sua história.

Segundo o coordenador do serviço de transplante de fígado do HUWC, Huygens Garcia, o Hospital Universitário é também o maior de toda a América do Sul nessa área. Conforme foi anunciado no ano passado, o HUWC sozinho já havia feito mais transplantes de fígado que o México (106 transplantes, dados relativos a 2012) ou Chile (74 transplantes, em 2012).

No documento "Dimensionamento dos transplantes no Brasil e em cada estado", o HUWC é registrado como centro que mais realizou transplante de fígado no Brasil em 2014. Foi um total de 135 transplantes de fígado, sendo três de doadores vivos e 132 de doadores falecidos, no ano de 2014. Em segundo lugar vem o Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, com 125 transplantes de fígado.


Para Huygens Garcia, o desempenho alcançado “é fruto da dedicação da equipe multidisciplinar, do apoio do HUWC/UFC, do excelente trabalho de captação da Central de Transplantes e da solidariedade do povo cearense em doar os órgãos de seus entes queridos acometidos por morte encefálica”. Ainda assim, a taxa de negação ainda é muito alta: 45%. “Para que mais pessoas doem os órgãos é necessário um trabalho de educação e, principalmente, um melhor atendimento nos serviços de saúde, especialmente os de emergência”.


Leia a matéria completa AQUI

Nenhum comentário:

Postar um comentário