LEIA COM ATENÇÃO

Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com WHATSAPP [88]

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Acusado de matar PM do RAIO em Campos Sales vai continuar preso por decisão judicial


A justiça negou habeas corpus para o réu Marlôncio Benigno Campos, de 35 anos, apelidado por "Neguinho" ou "Moreno", que foi preso no último dia 5 de abril em sua residência na Rua Jaicós no bairro Exposição em Picos (PI). Naquela data, a polícia cumpriu mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva expedidos pelo Juiz de Direito, Antonio Vandemberg Francelino Freitas pela Comarca de Campos Sales. Ele é acusado de ter matado com 16 tiros o soldado do RAIO, José Roberto Lemos Soares, que tinha 25 anos e residia em Juazeiro.

O crime aconteceu no dia 8 de maio de 2016 em Campos Sales e a decisão de manter o principal suspeito preso foi tomada pela 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Ceará. A relatora do caso foi a desembargadora Francisca Adelineide Viana, a qual explicou que a prisão tem a finalidade de “assegurar a paz social e a aplicação da lei penal, assim como o bom andamento da instrução processual”. De acordo com os autos, três policiais militares faziam abordagens no Bar da Miúda quando teve início uma troca de tiros com acusados do tráfico de drogas que estavam armados.

O Soldado Edmilson Passos de Araújo saiu ferido no braço e um dos acusados, Luan Silva Teixeira, de 26 anos, residente em Arco Verde (PE), morreu. Além de Marlôncio, outras sete pessoas foram denunciadas pelos crimes de homicídios qualificados, associação criminosa e tráfico de entorpecentes. A defesa dele tinha ingressado com habeas corpus junto ao Tribunal de Justiça alegando carência de fundamentação da decisão que decretou sua preventiva.

Argumentou ainda possuir condições pessoais favoráveis, como residência e emprego fixos em Picos, onde é dono de um pequeno comércio. Para a desembargadora existem, nos autos, elementos concretos e suficientes a evidenciar a necessidade de continuação da prisão. Dias antes de ser preso, Marlôncio já vinha sendo monitorado em Picos e, em sua casa, onde a polícia apreendeu um revólver calibre 38, uma espingarda calibre 36, várias facas e boa quantia em dinheiro.
Créditos: Demontier Tenório via Miséria.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário